Uncategorized

ARLYSON ERNESTO EM: RENÚNCIAS… PRA QUE TE QUERO?

Renúncias … pra que te quero?
      Talvez o que eu vá dizer desta vez não tenha nada de novidade, mas, esses dias, tenho pensado muito no que a simples palavra (renúncia) quer dizer!

       Renunciar nem sempre é bom – mas necessário. Esta atitude se define como uma daquelas tantas em que um perde e outro ganha… Mas não é isso, não. Renunciar é ato tão nobre que poucos o sabem fazer. Podemos renunciar muitas coisas: pessoas, pecados, posições, males ou até a nós mesmos. Mas em virtude de que devo fazê-las?

       Toda renúncia sempre se dá em virtude de um bem maior. Bem este que, pelo qual não devo eu ter de antemão nenhum proveito. Posso renunciar um prato de comida para que a outrem não o falte; posso renunciar aos meus maiores desejos, para ser feliz e fazer assim os outros… Estou convencido de que, renunciar é uma daquelas atitudes nobres, que de tão nobre poucos a sabem fazer.

       Eu mesmo na minha vida tive que fazer muitas renúncias, algumas doídas, outras necessárias. Mas cada renúncia com sua história. E cada história marcando a minha vida. Entretanto, também eu sei, que muitos têm medo de renunciar, pois, se encontram tão apegados que não conseguem mais viver sem aquelas coisas“pegajosas”. Se renunciar fosse sempre bom, tínhamos uma disciplina escolar que nos ensinaria isso…

       Esses dias, conversava com um amigo e, ele me dizia que sentia arrependimento por não ter feito algumas renuncias. É chato demais quando temos que renunciar sem outra escolha. Costumo dizer que toda renúncia consciente, é uma consciente libertação! Claro que não iremos sair agora por ai renunciando a tudo. Temos que ouvir o coração, ele sempre diz quando não suporta algumas coisinhas.

       Tenhamos sempre em mente a renúncia como um meio necessário à felicidade. Pois, quem na vida deseja ser feliz sabe que, nem tudo é bom, bonito e simples. Nós jovens, hoje, precisamos fazer muitas renúncias. Cada uma com sua dor e alegria; com o seu dia e sua hora.

       E, como somos seres que questionam, devemos sempre perguntar, para que quero mais uma renúncia? Pois, aquilo que se renuncia nunca mais se pode voltar a trás. Esta é uma via de mão única. Por isso, caro leitor, façamos todos os dias nossas renúncias para que no fim de tudo tenhamos uma vida feliz. Pois, não existe vitória sem topadas, erros, choros e, claro, renúncias.

Por Arlyson Ernesto

A PARTIR DE ABRIL

Blog Portal Pindaré
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar