Jojoh Fersan em: Cultura pra quê?

Jojoh Fersan em: Cultura pra quê?

Colunista Jojoh Fersan

Não existe identidade de um povo sem a valorização da sua cultura. Um povo sem cultura é um povo sem identidade. A Economia da Cultura é a economia que mais cresce no mundo. Então, pra que Cultura? Cultura pra quê?

É nesse contexto que o direito a cultura como direito básico de um povo assume o eixo central de uma discussão entre a sociedade civil e o poder público, para o resgate, a valorização e a preservação da mesma. A Cultura como identidade de um povo, sua maneira de ser, pensar, agir, interagir e sobreviver. A economia gerada pela cultura pode e deve ser usada como uma arma poderosa de inclusão social, proporcionando milhares de empregos, ajudando a acabar com a pobreza  num exercício pleno de cidadania.

 

Então eu insisto em perguntar: Pra que Cultura? Cultura pra quê?

 

Se sabemos disso ou não sabemos, porque não nos engajamos nessa luta? Porque o poder público  da região não se manifesta além do carnaval e do são João? Ou até de um evento que apenas privilegie ou beneficie os próprios gestores culturais? Será que só isso é que é cultura?

Eu garanto a vocês que alguns gestores ignóbeis pensam que é assim. Ah! Pra que Cultura? Cultura pra quê?

Porque o empresariado local tão preocupado em lucrar nos negócios, não enxergou ainda esse filão econômico? Porque só a cultura de fora é valorizada na nossa região? Ninguém está preocupado com a nossa cultura não? Tente conseguir algum apoio ou patrocínio pra um evento cultural regional, tente. Ninguém vai lhe dar ouvidos ou talvez nem lhe receba.

Existem algumas leis, estaduais e federais, que permitem os descontos dos impostos, para que se invista em cultura, mas nem mesmo assim, certos empresários usam desse mecanismo para apoiarem as produções culturais locais, da região. Alguns por desconhecerem, outros simplesmente por preferirem apoiar artistas ou grupos que já são famosos ou com os quais eles têm afinidade cultural. É certo que algumas dessas leis ainda precisam ser revistas por causa de situações como essas. Portanto; pra que Cultura? Cultura pra quê?

É muito triste ver alguns municípios do Vale do Pindaré e do estado, continuarem sem expressividade cultural por conta disso. Lamentamos que a criatividade ande de mal a pior, com gestores que administram certos municípios apenas se preocupando como eles poderão ganhar dinheiro na contratação de alguns artistas e brincadeiras.

Precisamos instituir programas de reestruturação da valorização dos nossos músicos, artistas cênicos, artesãos, grupos e costumes, enfim a nossa verdadeira Historia. A História Cultural do Maranhão, a história cultural do Vale do Pindaré, a história do nosso município. A nossa verdadeira identidade. E, é claro que essa cobrança tem que ser feita todo dia, os artistas, os produtores culturais também tem a sua parcela de culpa, por não institucionalizarem seus grupos ou trabalho, e também por não valorizarem o seu município, a sua região, para fortalecer e ajudar a crescer a produção cultural de sua terra.

 

E nunca esquecer: PRA QUE CULTURA? CULTURA PRA QUÊ?

 

Jojoh Fersan     05.08.2016

William Junior

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *