Jojoh Fersan entrevista Kennedy Aranha, a nova cara da música maranhense

Jojoh Fersan entrevista Kennedy Aranha, a nova cara da música maranhense

Por Jojoh Fersan

Colunista Jojoh Fersan

Kennedy Aranha, é um dos artistas mais versáteis da música popular maranhense.  Cantor e compositor, professor de educação física formado na Universidade Federal do Maranhão – UFMA, com vasta experiência em trabalho musical, tocando em  bares, teatros,  arraiais, e programas de tv, sempre presente nos grandes eventos em todo Maranhão,  ele consegue misturar quase sempre um pouco de cada uma de suas facetas em cada trabalho, compondo um universo poético e inspirador.

kennedy

Comemorando o lançamento do seu 2º DVD e viajando pelo Estado com seu novo show, Kennedy já celebra uma carreira produtiva em pouco tempo. Este inquieto Santa-ineense, mas filho criado em Pindaré-Mirim, teve composições suas gravadas em dueto com inúmeras vozes da MPM, como Dibel, Josias Sobrinho, e teve algumas parcerias em composições com nomes como Cesar Roberto, Chico Viola e outros destaques da nossa música.

Convidei Kennedy para um bate papo onde abordamos diversos aspectos da nova música produzida no Maranhão e o impacto disso tudo na sua carreira e, que ele respondesse a 10 perguntas objetivas que sintetizasse biograficamente o instigante Artista Kennedy Aranha.

 

Quem é Kennedy Aranha?

Kennedy Aranha, nasceu na cidade de Santa Inês-MA, mas é filho de criação  da cidade de Pindaré-Mirim, já gravou 7 CDs e 2 DVDs.

Como você rotula a sua música?

Musica Regional, Musica Popular Brasileira.

Qual sua grande influência?

Todos os grandes artistas que fizeram a diferença entre os anos 70 e 90, Tais como: Chico, Caetano, Belchior, Legião, Djavan, Jojoh Fersan (rsrs, agradeço a citação), Betto Pereira, Erasmo e muitos outros grandes músicos do Brasil e do nosso estado.

A música maranhense tem boas produções?

Sim, com a lei de incentivo estão surgindo grandes trabalhos.

O artista maranhense é coletivo?

O individualismo ainda impera na nossa musica, infelizmente, talvez ocasionado pelo próprio sistema.

O que atrapalha o reconhecimento da MPM?

O acesso do povo a esse material, pouco se toca artistas locais nas rádios e tvs, infelizmente ainda estamos no sistema de apadrinhamento na musica maranhense.

As produções são caras no mercado maranhense?

Infelizmente sim, e também somos carentes de profissionais dedicados nesse ramo.

Dá pra viver de música no Maranhão?

Sim dá pra viver, dependendo do padrão que você viva.

Uma música (do seu repertório) preferida.

Pode ser mais de uma? kkkkkkk

Canta meu Pindaré (Kennedy Aranha), Andarilho (Kennedy- Cesar Roberto- Chico Viola – Paul Gety -Vinicius Nagem)

O que “tocar no rádio” significa para você, em poucas palavras?

Quando tocar uma música minha na rádio, significa reconhecimento (do meu trabalho ), uma vitória Pois nos e tão limitado este espaço. Pois, o que toca hoje nas rádios é um produto pré-fabricado com prazo de validade.

– Esse é Kennedy Aranha, sem medo de arriscar, ele mergulha no vasto oceano de ritmos que tem a música maranhense e brasileira, e imprime sua personalidade na construção do seu trabalho.

William Junior

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *