Município de Santa Inês completa hoje 50 anos de emancipação política e administrativa

Município de Santa Inês completa hoje 50 anos de emancipação política e administrativa

O município de Santa Inês completa hoje 14 de março, 50 anos de emancipação política e administrativa. Uma vasta programação foi feita para celebrar essa data importante durante todo o dia. O ápice das comemorações será a partir das 20 horas em frente ao Parque de Eventos Dona Zima com shows de bandas locais e do cantor Pedrinho Pegação e da cantora Márcia Fellipe.

santa ines

Programação

5h – Alvorada

7h30 – Missa na Igreja Matriz

8h30 – Solenidade – Hasteamento das bandeiras e Hino de Santa Inês

Competições esportivas

9h –  Corrida 5km – Largada em frente à Prefeitura

9h30 – Corrida de 13km – Largada em frente à Prefeitura

11h – Ciclismo – Mountain Bike e SPEED

12h – Entrega de Troféus e medalhas no Pódio fixado em Frente a Prefeitura

19h – Culto no Ginásio de Esportes João Cambinha

20h – Show na Rua da Pedra Branca, em frente ao Dona Zima – Pedrinho Pegação, Márcia Felipe e atrações locais.

História

Conhecida primitivamente como “Ponta da Linha”, por estar localizada, em 1884, no final da via férrea construída pela Companhia Progresso Agrícola para percorrer as plantações de cana-de-açúcar que abasteciam o Engenho Central, em Pindaré-Mirim, Santa Inês deve sua origem a esse importante empreendimento agroindustrial.

Santa Inês que antes teve vários nomes, no inicio povoado chamado de Ponta da Linha devido ao trem carregava a cana para o engenho de Pindaré-Mirim que na época Santa Inês situava-se no município de Pindaré.

A rua do Comércio, antes chamada de rua da Boiada, era o caminho percorrido pelas carroças de bois que carregavam as canas-de-açúcar para o engenho situado em Pindaré, este devido o engenho central, foi uma das primeiras cidades do Maranhão a receber luz elétrica.

Com o encerramento das atividades produtivas do Engenho Central, por volta de 1910, a população de “Ponta da Linha” passou a dedicar-se à cultura de algodão, arroz, milho e mandioca, porém continuou dependendo de Pindaré-Mirim, a quem era subordinado administrativamente e por onde sua produção era escoada. Muito procurado por famílias nordestinas, que constituem atualmente, com seus descendentes, mais da metade da população local, o povoado cresceu rapidamente, a ponto de, no início da década de 60, tornar-se mais importante, em termos demográficos e econômicos, do que a sede do município a que pertencia.

A 14 de março de 1967, o antigo povoado de “Ponta da Linha”, já então conhecido como Santa Inês, conquistou sua autonomia. Beneficiado pela passagem da BR-222 e da Estrada de Ferro Carajás em sua sede, o município de Santa Inês é atualmente um dos mais importantes do Estado, tanto pela força de seu comércio e de sua agricultura como pela instalação, em seu território, de um distrito industrial que abriu largas perspectivas para seu desenvolvimento.

 

William Junior

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *