Preso no Ceará suspeito de esfaquear a ex-esposa, Girlene Silva

Por: William Junior, em 20 /03 /2018, ás18h28

O Departamento de Feminicídio/SHPP da Polícia Civil informou que cumpriu mandado de prisão preventiva no fim da manhã desta terça-feira (20) em desfavor de Gutemberg Matos Bezerra, que é o principal suspeito de ter esfaqueado a ex-esposa Girlene Silva Araújo no dia 23 de fevereiro, no bairro Maiobão, em Paço do Lumiar.

gutemberg suspeito

A delegada Viviane Azambuja informou que Gutemberg estava foragido e foi preso na casa de familiares na cidade de Ubajara/CE, com o apoio dos policiais locais. Após ter ficado internada, Girlene já teve alta e não corre risco de vida.

vitima agressao

“Efetuamos a prisão hoje, no fim da manhã. A gente sabia que a mãe dele era do Ceará, que ele tem irmãs aqui, e encontramos ele na casa do ex-marido da mãe em Ubajara/CE. Ele cometeu crime de feminicídio e será ouvido quando voltarmos. Para quem é condenado, a pessoa pode ficar presa de 12 a 30 anos. Quanto a Girlene, ela está bem melhor, se recuperando bem, e já saiu do hospital. Creio que não corre risco de vida”, declarou a delegada.

Entenda o caso

Uma mulher identificada como Girlene Araújo silva, de 37 anos, recebeu 18 facadas dentro de casa no bairro Maiobão, em Paço do Lumiar, na noite do dia 23 de fevereiro. Girlene foi levada até o Hospital Socorrão 2 em estado grave.

Parentes e amigos acreditam que o autor do crime é o ex-companheiro dela, Gutemberg Matos Bezerra, que estaria inconformado com o término no relacionamento. O casal estava separado há cerca de dois anos e tem um filho adolescente. Segundo Gisele Araújo, irmã da vítima, ela já tinha denunciado que era agredida por Gutemberg.

“Ele batia nela até quando ela largou ele. Já estavam há um tempão separados”, contou .

A tentativa de homicídio aconteceu no momento em que filho do casal não estava. Vizinhas afirmam ter ouvido gritos de socorro e visto Gutemberg sair de moto do local depois do crime. Uma das vizinhas, Zélia Vilas Boas, disse ter encontrado o corpo ensanguentado.

“Eu vim correndo. Quando cheguei encontrei ela. Aí pedi para chamarem a ambulância ou a polícia porque ela poderia morrer”, afirmou.

Do G1 MA

Acompanhe mais notícias em www.portalpindare.com.br. Siga nossa página no

Facebook.